Riscos em gestão de projetos: tudo o que você precisa saber

Riscos existem e sempre vão existir em qualquer ramo de atividade. Como dizem por aí: embora o risco exista, o importante é entender onde há risco e elaborar planos para que ele não se concretize e não prejudique o andamento do projeto. O grande problema é que quando um risco se concretiza o gerente de projeto vira uma espécie de Santo Expedito.

santo expedito

O problema é que, na maioria dos projetos, o risco parece ser ignorado. Muitos gestores acabam confiando na fé, na sorte ou mesmo por falta de ferramentas e métodos não fazem uma boa gestão de riscos. O maior exemplo disso é em obras públicas, onde algumas delas param por falta de recursos, problemas que aparecem no andar do projeto, mudanças de lideranças políticas, dentre outros que, se pensarmos bem, deveriam ser calculados e administrados.

Se o projeto de sucesso é aquele que entrega o produto do projeto no tempo estimado, com os recursos e requisitos de qualidade estipulados, faz sentido pensar que o gerenciamento do risco gira em torno desses pilares e deve ser observado com cautela para que não existam problemas.

Risco em gerenciamento de projetos

O primeiro passo é, em tempo de planejamento, pensar quais são os riscos ao passo que o projeto acontece. Para isso:

  • Reúna todos os stakeholders para um debate;
  • Cole em um quadro, com papéis autoadesivos amarelos, os riscos e em que fase do projeto eles podem acontecer;
  • Se nesse momento já for possível definir até em qual atividade esse risco pode ocorrer, melhor ainda. Quanto mais detalhado esse exercício, melhor;
  • Terminado esse exercício, vá pra casa e no dia seguinte revise essa lista, veja se ficou faltando alguma coisa e então vá para o segundo passo que é o “como gerenciar o risco”.

Como gerenciar o risco

  • Una riscos e tarefas na lousa – um respectivo risco na maioria das vezes está relacionado com uma tarefa do projeto;
  • Determine o caminho crítico. Se as tarefas que envolvem caminho crítico são as mais determinantes para a continuidade do projeto, é muito importante gerenciar os riscos relacionados a elas, principalmente. Para isso, no miauproject você pode determinar as tarefas de caminho crítico como de alta prioridade na hora de inserir a tarefa.  Você também pode usar o recurso da “tag” ao cadastrar a tarefa, para classificar como caminho crítico;

exemplo de classificação de caminho crítico

  • Determinadas as tarefas de alta prioridade, monte uma tabela com o nome da tarefa, a fase em que ela pode acontecer, quem é o responsável pela tarefa e qual o plano para impedir que o risco se concretize. Tenha uma coluna com um plano de ação para o caso do risco se tornar um fato, com procedimentos do que deve ser feito, plano de comunicação para esse caso, entre outros detalhes;
  • A cada sprint do projeto revise os riscos e o grau de efeito colateral caso se concretize;
  • Faça resumo sobre a administração do risco nos relatórios periódicos do projeto, para os stakeholders.

Caso o pior aconteça não se desespere. Siga o plano, avise os envolvidos, coloque em prática as medidas de contingência e não deixe que existam efeitos colaterais em demasia.

Esta entrada foi publicada em Geral, Gerenciamento de Projetos, Gestão de Riscos e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.