II Evento do GUGP 2014 – Gestão Ágil e o Management 3.0

Dia 08/05/2014 rolou na PUCRS em Porto Alegre, no prédio da FACIN, mais um evento da série GUGP (Grupo de Usuários de Gerenciamento de Projetos). O tema foi “Gestão Ágil e o Management 3.0″ e foi ministrado pelo Alejandro Olchik, sócio-diretor da ionatec.

Alejandro começou a palestra utilizando algumas metáforas para falar sobre metodologias já conhecidas de ferramentas de gestão. Além disso, usou metáforas para citar algumas das escolas de pensamento de administração.

A máquina

Alejandro começou falando sobre a metáfora da máquina, que exemplificou com escolas de pensamento mais antigas da administração como o “fordismo”, ou seja, a organização como um todo era vista como uma máquina onde cada recurso tinha que funcionar em sincronia com o outro. Os valores da empresa ficam em destaque e o lucro era importante. Um modelo, na minha opinião, bem arcaico em comparação com dias de hoje, principalmente quando se pensa em como o mundo mudou economicamente e como as organizações se adaptaram a isso.

O time

Nesse formato trabalha-se para um bem maior e os benefícios pessoais são ignorados. Não importa o quanto se trabalha, quantos finais de semana serão perdidos, a equipe precisa trabalhar como um time “motivado” para cumprir determinada meta. Tudo funciona em benefício dos métodos e não necessariamente do resultado.

Essa metáfora me lembra muito aqueles gestores de discursos vazios. Aqueles que usam clichês como: “pra ficar aqui tem que suar a camisa”, “temos que trabalhar como um time”, “o importante é o que o time pensa”, etc. São aqueles que cobram uma qualidade absurda sem ao menos se envolver em absolutamente nada. Só cobram resultados e metas geralmente inatingíveis e assumem que as pessoas devam fazer o necessário para que consigam cumprir a meta. São ótimos em delegar, mas não em ajudar ou orientar.

Organização como comunidade

Nessa metáfora, os métodos ágeis começam a aparecer, como o Scrum, Kanban, entre outros, que trazem como benefícios maior produtividade, qualidade nas entregas, melhor gerenciamento da mudança e notável redução de custo.

É interessante que nessa metáfora da organização como comunidade é que as pessoas aqui já começam a ser vistas como peças importantes e insubstituíveis. Dessa forma, todos produzem opinando e trabalhando em colaboração.

Cérebro

A organização é tratada como um sistema complexo através de vários ramos. Nessa abordagem, há pensamentos que orbitam temas como: viver e aprender, facilidade de adaptação, comportamentos sofisticados, ausência de controle centralizado.

management30

É aí que se encaixa o conceito do Management 3.0 que possui alguns princípios importantes como:

  • Manter as pessoas energizadas e motivadas;
  • Empoderamento dos times;
  • Alinhamento das restrições;
  • Desenvolvimento de competências;
  • Crescimento; e
  • Melhoria constante e gestão da mudança.

Dessa forma, os times são empoderados e a organização é gerenciada de uma maneira colaborativa na qual, para os gerentes, ficará a missão de desenvolver a competência das pessoas.

Eu achei muito bacana a palestra e muito inteligente essa ideia das metáforas. Percebi que enquanto o Alejandro foi narrando cada uma delas, as pessoas foram se identificando com algumas situações e fazendo comentários entre si sobre o que é bom ou ruim.

Estou gostando bastante desses eventos do GUGP em Porto Alegre. É bom ter um espaço como esse com palestras de boa qualidade e ainda por cima sem nenhum custo. Continuaremos acompanhando e postando as novidades aqui no blog!

Esta entrada foi publicada em Geral. Adicione o link permanente aos seus favoritos.